Shoyu: o molho de soja milenar

Shoyu: o molho de soja milenar

Conheça um pouco da história desse tempero capaz de conferir aroma e sabor único aos pratos

O molho de soja, que conhecemos como shoyu, é um dos temperos mais antigos do mundo. Segundo historiadores, as primeiras preparações, ainda mais pastosas, foram feitas há mais de 3.000 anos na China e eram utilizadas para preservar os alimentos durante viagens.

A receita ancestral teria chegado ao Japão no século XIII, levada por um monge budista que se estabeleceu em Yuasa, na atual província de Wakayama. Usando as águas cristalinas da nascente local, ele teria começado a produzir ali o missô (pasta de soja) e o shoyu (líquido), que passou a ser feita por outras famílias da região e, depois, se popularizou em outras províncias. Por conta dessa história, o local é considerado o berço do molho de soja até hoje.

A receita tradicional do shoyu leva grãos de soja e de trigo, além de água e sal, e envolve um processo de fermentação que dura seis meses. No Japão, fabricar shoyu é também uma tradição familiar e não é raro encontrar, ainda hoje, pequenas produções para consumo próprio que algumas pessoas mantêm no quintal de suas casas.

Na família de Suekichi Nakaya, fundador da Sakura, nunca foi diferente. Em 1932, ao desembarcar no Brasil, ele e seus familiares seguiram produzindo o próprio shoyu e missô artesanalmente. Para atender o pedido de amigos e parentes, eles foram aumentando a produção aos poucos até que decidiram abrir a empresa em 1940.

Uma curiosidade: diante da escassez do trigo na época, o senhor Suekichi adaptou a milenar receita substituindo o trigo por milho, que era mais abundante por aqui. Criou, assim, um molho de soja livre de glúten. A produção hoje, mais moderna e industrial, segue a mesma fórmula de ingredientes, com soja e milho sem transgênicos e fermentação 100% natural.

Se no início a produção destinava-se à comunidade de imigrantes japoneses e macrobióticos, nas décadas seguintes a Sakura passou a atender cada vez mais brasileiros, sobretudo a partir dos anos 90, quando o Brasil viveu o boom da culinária japonesa e muitos restaurantes dessa especialidade surgiram. A Sakura sente-se honrada por fazer parte dessa história, sempre presente com o shoyu e sua variada linha de produtos na cozinha e nas mesas dos restaurantes e bares e também na casa de muitos brasileiros.

Sem comentários

Desculpe, os comentários estão indisponíveis no momento.